Preocupe-se em sorrir

tumblr_mkfojaJBtt1qk19wpo1_500

Heloísa tem o cabelo curto, usa óculos grandes e vai para a faculdade usando galochas. Sabe como é, sempre chove em São Paulo. Ela chega com o cardigã meio molhado, sacode a água da sua maleta cheia de livros e um estojo e sobe as escadas para a primeira aula.

Como sempre, as meninas de Moda as olham dos pés à cabeça. Principalmente dos pés. Galochas amarelas? Heloísa finge que não vê e nem ouve os sussurros incessantes. Sorridente, continua andando. É a única da faculdade que fala “boa noite” ao faxineiro, que esboça o único sorriso do dia exclusivamente para ela.

Andando pelo corredor gelado da faculdade, Heloísa percebeu que a maioria dos alunos usava fones de ouvido e não conversava com ninguém. Claro que ela mesma gostava de música, mas preferia cantar com seus amigos da sua cidade natal. Tinha um MP3, mas usava no seu quarto antes de dormir, só pra relaxar um pouco. E de dia, enquanto enfrentava o trânsito até o estágio na biblioteca, tentava ouvir se, no meio de tantos carros, existia algum passarinho. E procurava flores, também, onde só havia concreto. De vez em quando, ela achava.

Faltavam alguns minutos para a aula começar, então Heloísa sentou-se na carteira de sempre: a segunda da terceira fileira. Tirou da sua maleta seu livro favorito e começou a ler, sentindo que as palavras a protegiam a cada frase lida. Aquele livro era o seu favorito de sempre, tipo aquele sapato que você quer usar sempre e de qualquer jeito, que já foi com você para todos os cantos. O livro estava um pouquinho amassado na capa, mas Heloísa sempre cuidava dele com muito carinho.

Seus colegas de sala foram entrando. Alguns a viam e diziam “boa noite” (alguns, tipo, quatro em uma sala de quarenta), alguns passavam reto e alguns olhavam para o livro dela e riam.

– De novo esse livro, Menina da Galocha? Cresce logo! Vai ler alguma coisa diferente, alguma coisa mais culta!

Não é que Heloísa não lia outros livros. Na verdade, ela tinha uma infinidade deles espalhados pelo seu apartamento. Mas ela gostava mais daquele. Gostava tanto que queria lê-lo todo dia.

 – Você já leu esse livro? – Heloísa sorriu e perguntou, ignorando a frase dita – É ótimo, acho que você ia adorar.

– Esse seu livro babaca? Qual é, nunca perdi meu tempo nem lendo a sinopse! O dia que você ler um dos que leio, merecerá algum respeito.

Enquanto a pessoa ia embora rindo, Heloísa se sentiu confusa. Para ela, ler era como trocar figurinhas: um indica um livro para o outro e troca ideias. Mas não se faz troca com uma só pessoa. Preferiu se calar. Logo o professor entrou na sala, cumprimentou a menina e passou a matéria na lousa. Mais tarde, naquela quarta feira, metade da faculdade seguiu para a balada que tinha por ali, mas Heloísa preferiu ir para casa, dormir cedo para ir de bicicleta ao trabalho no dia seguinte. Quem sabe não ouvia um pássaro cantar…

É certo que o tempo voa. Heloísa terminou sua faculdade de Biblioteconomia na Inglaterra, ficou morando por lá em um apartamento que dividia com o noivo inglês e com um gato. Enquanto isso, outros ficaram para trás, mais preocupados em cuidar da vida dos outros do que sorrir.

Mariana

Anúncios

8 comentários sobre “Preocupe-se em sorrir

  1. Que texto mais gostoso! Adorei!
    Infelizmente, o que mais tem no mundo são pessoas querendo cuidar das nossas vidas, mas cabe a nós a escolha de dar ouvidos a elas ou continuar a busca do canto dos pássaros no meio da selva de concreto.
    O bom de gostar de ler é conseguir encontrar outras pessoas tão dispostas a trocar figurinhas quanto a gente. Os verdadeiros amantes dos livros não se importam com o gênero literário, com a crítica ou o “status” do livro. Os verdadeiros amantes dos livros, são também amantes de uma boa prosa.
    Mil beijos e parabéns pelo blog!

  2. Que conto lindo! me enxerguei ali, quem nunca? o melhor é que isso passa, as fases, as pessoas falando mal e essa coisa de nos sentirmos diferentes, mais tarde, vira estilo, isso é bom! menina, adorei teu texto! não conhecia teu blog! Um beijo e estarei mais vezes por aqui! 🙂

  3. Numa coisa o caetano estava certíssimo: “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”! Mas ainda falta ao ser humano a consciência de quem tem que aprender cada vez mais sobre si mesmo e aprender a cuidar de si e parar de tentar controlar a vida alheia! Ficou ótimo o texto! :o)

    Xerinhos, frô!

  4. Adorei o texto!

    Acho que ele expressou muito bem o que infelizmente vemos muito por aí nos dias de hoje. A minha pergunta é: será que essas pessoas que sentem a necessidade de julgar e criticar aqueles que têm outros gostos, outras prioridades de vida diferentes das suas, estão realmente felizes com suas escolhas? Porque, sinceramente, eu não consigo acreditar alguém que viva aquilo em que acredita e seja feliz por isso, perca seu tempo se preocupando com a vida alheia e mal dizendo as diferenças. Justamente as diferenças que são o que tornam o mundo um lugar interessante de se viver.

    Parabéns!

    bjs, Lari!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s