(Resenha) Dragões de Éter #2, Corações de Neve

2

 

 

Autor: Raphael Draccon

Editora: Leya

Páginas: 495

Lançamento: 2009

ISBN: 9788562936012

Sinopse:  Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltaram contra as antigas raças. E assim nasceu a Era Antiga.

Hoje, Arzallum, o Maior dos Reinos, tem um novo rei, e a esperada Era Nova se inicia.

Entretanto, coisas estranhas continuam a acontecer…
Uma adolescente desenvolve uma iniciação mística proibida, despertando dons extraordinários que tocam nos dois lados da vida. Dois irmãos descobrem uma ligação de família com antigos laços de magia negra, que lhes são cobrados. Duas antigas sociedades secretas que deveriam estar exterminadas renascem como uma única, extremamente furiosa.

Após duas décadas preso e prestes a completar 40 anos, um ex-prisioneiro reconhecido mundialmente pelas ideias de rebeldia e divisão justa dos bens roubados de ricos entre pobres é libertado, desenterrando velhas feridas, ressentimentos entre monarcas e canções de guerra perigosas. O último príncipe de Arzallum resgata sombrios segredos familiares e enfrenta o torneio de pugilismo mais famoso do mundo, despertando na jornada poderosas forças malignas e benignas além de seu controle e compreensão.

E a tecnologia do Oriente chega de maneira devastadora ao Grande Paço, dando início a um processo que irá unir magia e ciência, modificando todo o conhecimento científico que o Ocidente imaginava possuir.

E mudará o mundo. Mais uma vez.

Eu realmente achei que, depois de ler o primeiro livro de Dragões de Éter (para ver a resenha do primeiro livro, é só clicar aqui), não teria como a série melhorar.

E eu não podia estar mais enganada! Esse se tornou um dos livros favoritos do ano.

No segundo livro, temos a presença de mais personagens e amadurecimento dos que aparecem desde Caçadores de Bruxas, o livro um. É muito visível o crescimento deles e eu gostei muito disso. Inclusive, numa série, acho esse fato fundamental, porque os personagens se tornam mais profundos e acabamos nos apegando a eles.

Outra coisa muito mais notável em Corações de Neve são as relações políticas. Logo no início do livro há uma carga grande de descrições sobre outras nações, seus costumes, cultura, tipo de governo… Isso foi a única coisa que me cansou, mas só porque foi logo no início do livro e tudo escrito de uma só vez. Ao longo da leitura, isso é amenizado. Tirando a parte que no começo foi pesada, acho que isso enriqueceu a história também.

Esse livro tem muito mais ação que o primeiro, portanto acabei fazendo menos marcações. Mas, mesmo assim, o Raphael Draccon não perde a veia poética.

“- Coragem? Isso não significa agir com ausência do medo?

– Não. Coragem significa agir ainda que na presença dele”

Aliás, as cenas de ação são INCRÍVEIS! É demais, gente. Durante uma luta especificamente, eu senti meu coração acelerado, calafrios e meus olhos até marejaram um pouco. Sem brincadeira! Sabe quando você lê algo do tipo: “… e o personagem Fulano sentiu seu corpo se arrepiar”? Então, geralmente eu não sinto altas emoções com uma descrição assim, mas o Draccon me faz acreditar que aquilo realmente está acontecendo, de forma que fiquei completamente imersa durante as cenas de batalha.

“Existem poucas, bem poucas coisas pelas quais vale a pena viver e morrer.

O amor é uma delas”

O romance no livro não deixa de existir, não. Mais uma vez, me emocionei em diversas partes. É bem legal ver que, com o amadurecimento de personagens, há o amadurecimento dos seus relacionamentos amorosos.

Falando nisso, tem uma coisa que eu acho digna de nota: o que eu mais gosto no Raphael Draccon é que ele sabe medir tudo na história, de ação ao romance. Isso para mim é o exemplo de história completa, e é o tipo que mais gosto. Quando leio um livro, gosto de me sentir completa em todos os sentidos e me admira muito um autor saber usar as palavras certas nos momentos certos.

Para Corações de Neve, só tenho elogios. O final foi simplesmente maravilhoso, o Draccon realmente gosta de finais majestosos. Mal posso esperar pelo próximo livro! ❤

Beijos e até a próxima,

Mari

Anúncios

(Resenha) Dragões de Éter #1 – Caçadores de Bruxas

dragoes de eter 1

 

Autor: Raphael Draccon

Série: Dragões de Éter, livro 1

Editora: Leya

Páginas: 438

Lançamento: 2007

ISBN: 9788562936333

Sinopse: Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga. Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas. Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer… Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. Dois irmãos comem estilhaços de vidro como se fossem passas silvestres e bebem água barrenta como se fosse suco, envolvidos pela magia escura de uma antiga bruxa canibal. O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real. E mudará o mundo.

Defino esse livro de Raphael Draccon como incrível. É até difícil começar a resenha de um livro tão bem elaborado, com elementos amarrados muito bem do começo ao fim. Assim que ganhei os livros, no final do ano passado, coloquei todas as minhas expectativas e, acredite, elas foram superadas.

Mesmo sendo um livro de fantasia, é incrivelmente fácil de ser lido. A história é narrada em terceira pessoa por um bardo muito simpático, que parece dialogar com o leitor o tempo todo. Detalhes, reflexões, diálogos… Tudo é posto na medida certa. Não é à toa que Draccon é um dos autores mais falados em âmbito nacional atualmente. Ele escreve incrívelmente bem!

Quanto a história, digo que foi bem diferente do que imaginei. No começo, eu esperava uma história bem complexa. Não foi isso que eu encontrei e, por favor, não entenda isso como algo negativo. Caçadores de Bruxa é uma recontagem dos contos de fadas, narrada de uma forma simples de ser entendida, mas não peca nas suas reflexões e frases (belíssimas, por sinal). Nesse universo, a história gira em torno de alguns personagens, os quais acho melhor não revelar para não estragar a surpresa. Temos personagens pré-adolescentes e adultos, e a narrativa muda um pouco conforme cada foco.

E aposto que, quem é fã dos contos de fada, se interessa por uma bela recontagem. Bom, no caso de Caçadores de Bruxas, vemos vários personagens que conhecemos na infância sendo retratados de outro jeito, sendo esse tão convincente e real que me peguei pensando por um momento qual história, de fato, seria a verdadeira.

Outros elementos muito interessantes são: que podemos notar a presença da cultura pop. Não de músicas, o que logo vem à nossa cabeça, mas de gírias, por exemplo. É um livro com ares medievais, mas com toques de modernidade! E que podemos notar analogias a fé e história, o que não deixa o livro “pesado” de forma alguma, e sim enriquecido!

Me envolvi na história do começo ao fim e só me demorei na leitura pelo fato do livro ser grandinho, apesar de ter letras bem grandes. Analisando o livro de forma geral, vi pouquíssimos defeitos, senão nulos de tão insignificantes. Nota máxima para esse livro e mal posso esperar para ler o próximo.

Não se deixe enganar, inclusive: apesar de se tratar de uma recontagem de contos de fada, o livro abrange várias faixas etárias, a partir de, mais ou menos, treze anos até… Bem, até quem quiser ler! Sem dúvidas se tornou um favorito para mim, além de ser altamente recomendado!

Só mais uma nota: eu e o Rodolfo do Tríplice Literária estamos pensando em fazer um hangout no Youtube sobre esse livro, de uma forma mais descontraída e abrangente. Para saber mais, é só curtir a minha página no Facebook e lá vou disponibilizar mais detalhes!

Beijos e até a próxima,

Mari